quarta-feira, 28 de maio de 2008

Jogo de Sedução


Seminua,
A caneta se insinua
Transparente
Em um aparente
Jogo de sedução.
Promete plena satisfação
E momentos intermináveis
De prazer.
Como sempre obediente,
Sinto que vou aquiescer
E me render totalmente;
Para que entre os lençóis da cama,
Chegue então ao nirvana
Por ter-me de todo sucumbido.
E ao raiar do dia,
Não terei me arrependido
Por entregar-me à poesia
Nesse amor tão desmedido.








Elizabeth F. de Oliveira

5 comentários:

Graça Pires disse...

A poesia é um tremendo jogo de sedução minha querida amiga Elizabeth. E este poema está lindo.
Beijos e saudades.

Regina disse...

Ainda bem que não como resistir...

Bjnhos

um bom ouvido disse...

Prima, sua poesia há muito seduziu-me.

mundo azul disse...

...esse caso com a poesia, pode ter sempre a certeza da fidelidade e companhia permanente...
Um ótimo poema!
Beijos e muita luz...

teresa p. disse...

Entregar-se à poesia, "nesse amor tão desmedido".
É uma forma Grande de estar na vida. Gostei muito do poema.