quinta-feira, 19 de março de 2009

Estações



Foi o outono, eu sei,
que esculpiu em meu rosto
as delicadezas do cansaço.
Foi ele que sulcou a minha pele
para arar de lucidez
a minha última estação.
O verão, tão próspero de vida,
não retornará à minha existência.
Mas poderei me aquecer
com a lenha de sentimentos,
que ainda arde em meu peito.
É com ela que construo fogueiras
e aqueço as lembranças
das estações passadas.




Elizabeth F de Oliveira
Foto Vanessa Schwark

17 comentários:

Graça Pires disse...

Minha querida Elizabeth, que belo poema! Bem ao meu gosto: cheio de emoção. "Foi o outono, eu sei,
que esculpiu em meu rosto
as delicadezas do cansaço"... Começo lindíssimo a levar-nos até ao fogo das palavras.
Um grande beijo.

Bill Stein Husenbar disse...

Que neste Dia Mundial da Poesia os seus versos floresçam e brotem para o mundo com uma mensagem de esperança e felicidade.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Lancelot (England) disse...

Sorry, Brazilian Princess, for not posting a real comment. I actually promissed to myself not to say a single word about any sad poems of yours. In fact, I wish you nothing but joy, happiness, love, gaiety, enchantment and tenderness. Okay, I might say that your verse are always undescribably beautiful, spite of sadness.
Neverthless, please do not write down words such last summer, last season of your life. That is not true. They sound like a picture of a crying child, in pain, in misery.

Lancelot
The White Cliffs of Dover
England.

Gisela Rosa disse...

As fogueiras não têm estação Elizabeth...elas podem arder sempre dentro e fora de nós! Adorei a composição poema/imagem, um beijinho

O Árabe disse...

Simples... e lindo! :) Boa semana.

Marinha de Allegue disse...

Adorei as táus palabras...

Unha aperta grande Elizabeth.
:)

Nilson Barcelli disse...

Outra lenha, ainda, alimenta esse seu fogo poético, bem esculpido com as suas palavras.
Continue a construir fogueiras com os sentidos poéticos criativos que a habitam.
Bom resto de semana,
Beijo.

O Profeta disse...

A palavra é semente
Que floresce na luz de cada alma e enternece
Às vezes é doce veneno
Às vezes taça de cidra que o peito aquece

Ser Poeta é tanto, tão pouco
É transformar em crentes os ateus
É domar todas as tempestades da alma
É estar mais perto de Deus


Mágico beijo

Lancelot (Great Britain) disse...

Merry, marvelous Sunday, day of the Sun, to a marvelous Poet. The world loves you, but you knew that, don't you?
Deep, sincere congratulations for all of the Poems you have already written - all but the sad ones - since your very first line, there in your childhood, which took place just yesterday.

Lancelot
The White Cliffs of Dover
England

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Elizaeth,

Seu blog é muito gostoso e com palavras leves e profundas. Jota Cê e eu, estamos presenteando nossos novos amigos com um selo que cultiva o amor. Podemos oferecer esse mimo a você?

=]

Beijo e maravilhosa semana.

Rebeca

-

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, uma semana boa pra vc.
Beijo.

d'Angelo disse...

Belas as marcas das estações na sua delicada maneira de sentir.

maria disse...

Uma "fogueira" de doçura e nostalgia que me aqueceu, dissolvendo amarguras...
Belíssimo!
Beijo

Victor Oliveira Mateus disse...

Gostei muito desta fluidez nostálgica.
Um bj, Elizabeth.

Rabe disse...

Saudações fraternas! Visitando-a, deixando o expressar de meu carinho. Parabéns poetisa!

Anônimo disse...

Parabens por este maravilhoso blogue. dicasquedescubro.blogspot.com