segunda-feira, 6 de abril de 2009

Busca


Quantos rosários de oração
hei de desfiar no silêncio das mãos?
Prece a prece, os dedos urgem
a proclamação de uma paz
jamais vista, jamais alcançada
na hesitação da vivência.
Os olhos testemunham tristes
a ansiedade que adormece
na busca dessa paz apaziguadora
das insistentes angústias.










Elizabeth F de Oliveira
Foto Cesar Guizzo

18 comentários:

Graça Pires disse...

No silêncio das mãos há múltiplas paisagens habitadas onde encontrarás o que tanto buscas, prece a prece...
Gosto do novo visual do teu espaço agora encabeçado por Torga.
Um grande beijo.

Cássia Lopes disse...

"Os olhos testemunham tristes
a ansiedade que adormece
na busca dessa paz apaziguadora
das insistentes angústias".
Só os Poetas sabem, como ninguém, enxergar a beleza da angústia.
Beijos

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Elisabeth,

Sabe quando vc sente delicadeza nas palavras de carinho? Senti no seu comentário.

Amei ver o nosso selinho no seu blog e vou te linkar tb.

Maravilhosa semana.

Rebeca

-

Gisela Rosa disse...

háo-de lá chegar...os olhos, a mãos, o coração a um porto sereno.

Beijo e parabéns pelo grafismo (e obrigada pela visita)

Lancelot - Great Britain disse...

Beautiful Brazilian Poet, I guess you cannot wonder how I feel about religion messages. I once used to be a religious man, an altar boy, half a preacher. But one fine day I started thinking, saw the light of science, and the roughness of Life. Love is my religion.

I am surely wondering aboutthe image you posted. I cannot say a word about the poem, another sad one of yours, for the words of any poem sound like French to me.

And yet, congratulations. We are grateful for your mere existence.

Have a great weekend. Love is the answer, love makes the world go round. xxoo.

Lancelot
The White Cliffs of Dover
Isle of Mann - Great Britain

Bill Stein Husenbar disse...

Aprende-se tanto no silêncio...

Desejo uma boa Páscoa com muitos doces e com versos apaixonantes.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Carlos Barros disse...

Linhas que revelam um coração muitíssimo acordado e atento em nossa busca desejosa de paz. Um reflexivo poema, que expressa a grandeza de tua sensibilidade.

Primoroso!

Grande abraço!

Judô e Poesia disse...

Olá,
Pois a minha oração vai para os Deuses, quem sejam, para que sosseguem seus discípulos, católicos, protestantes, judeus, budistas, hinduísatas,mulçumanos de diversos credos, xintoístas, religiões africanas, evangélicos, etc, para que aprendam a conviver em paz, sem abrir mão de suas diferenças.
Não sei se algum deles me atenderia, em nome talvez do amor que apregoa, mas o faço por via da Deusa a que adoro, para qual todos deveriam voltar ao menos uma chama: "a deusa alteridade". Feliz Páscoa. Domingos.

Judô e Poesia disse...

"hinduístas"

Ynot Nosirrah disse...

Eu também busco alguma coisa. Feliz Páscoa.

manzas disse...

Desperto encostado á escura noite
Na velha e dura calçada do relento…
Na cama onde a chuva é açoite,
Agasalho-me com lençóis feitos de vento!

Grato sempre pela
Bem-vinda visita
E comentário!
Uma boa semana,
No abrigo da paz
E do amor!

O eterno abraço…

-MANZAS-

Vieira Calado disse...

Passada que foi a Páscoa,

venho desejar-lhe uma boa continuação poética,
nos dias que aí se aproximam.

Bjs

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Elisabeth,

Você é muito linda, suas palavras são lindas, sua forma de nos sentir, mais lindo ainda. Você sabe brincar com as palavras que emocionam, sendo séria naquilo que transmite.

Obrigada pelo carinho.

Maravilhosa semana.

Rebeca

-

Nilson Barcelli disse...

"Os olhos testemunham tristes
a ansiedade que adormece
na busca ... "
O silêncio das mãos é capaz de tu, até de escrver poemas tão belos poemas como este.
Cara amiga, um bom resto de semana para vc.
beijos.

O Árabe disse...

A busca da paz... que só em nós mesmos encontramos. :) Belo post, bom fim de semana!

Victor Oliveira Mateus disse...

Parabéns pela nova casinha, Elizabeth. Aqui sinto a mesma nostalgia do poema anterior, contudo parece-me haver uma espera
que salva a poeta da tristeza absoluta. Eu gostei.
Um beijo.

Rabe disse...

Olá! Voltei ao teu convivio virtual. Teu blog permanece intacto, a beleza é indizivel! Estive por ai, hospital, uti, dores e uma ligeira magreza; necessária... Grande Abraço