segunda-feira, 5 de julho de 2010

HERÓIS


Inspirei-me na Odisséia de Homero
Para versejar meus sonhos;
Invoquei a força de Hércules para realizá-los.
Mas em algum momento,
A saudade abateu-se sobre mim,
Anulando a força dos meus heróis e
Quebrando todo o encanto que havia.
Tornei-me prisioneira,
Cativa de mim mesma,
Perdida, no labirinto dessa saudade.








Elizabeth F de Oliveira
Foto Julio Cezar Ramos Lobo

7 comentários:

Graça Pires disse...

"Tornei-me prisioneira,
Cativa de mim mesma,
Perdida, no labirinto dessa saudade."
Um belíssimo poema minha querida amiga Elizabeth. Já tinha saudades de te ver por aqui.
Um grande beijo.

O Profeta disse...

Esta ilha não tem fortuna
Trocou-a por um curioso mistério
Este irreal e intenso verde
Que inunda o olhar mais sério

Nesta ilha há um beijo na tua procura
Nesta ilha as pedras não têm idade
Nesta ilha as juras são lançadas à maresia
Nesta ilha o sonho é janela da verdade

Doce beijo

Karoline Goltzman disse...

"Perdida, no labirinto dessa saudade!"
Ô Saudade!
=(
Beijos.

Vieira Calado disse...

Um bom casamento:

os gregos

e a nossa palavra saudade!

Saudações poéticas

Rabe disse...

Saudações poetisa, demoro-me a vir, mas, venho! Saudade dulcifica nossas emoções, resguarda-nos no caminho do novo e embeleza a poesia!

A Conxurada disse...

Lindo.

Vieira Calado disse...

Olá, boa noite!

Hoje venho simplesmente desejar

Feliz Natal

para si e todos os seus!

Saudações natalícias!