sexta-feira, 5 de julho de 2013

SINASTRIA








Somos compatíveis
na sinastria da solidão,
carregamos no peito
o mesmo crepúsculo
circunscrito de silêncio e desilusão.
E, na contradança do destino,
as sincronicidades se transformam
em desatino, fazendo do desencanto
nosso melhor ponto de convergência,
de eloquência da harmonia;
para que, quem sabe, juntos
e com paciência,
possamos, do peito,
desocultar a alvorada
e fazer dessa vida inabitada
um encontro inesperado
de poesia.







Elizabeth F. de Oliveira
Foto: autoria desconhecida

4 comentários:

Aureliano disse...

Olá , Elisabeth

Na sinastria a solidão é o estado compatível que se transforma no encontro desejado com a poesia.
Belo texto.
Agradeço sua visita sempre simpática.
Abraço,

Aureliano.



O Árabe disse...

Lindo e verdadeiro; às vezes, o desencanto é nosso maior ponto de convergência. Boa semana!

Nilson Barcelli disse...

A vida faz-se de encontros.
Sejam eles de poesia ou de pensamentos e hábitos...
Excelente poema, gostei muito.
Elizabeth, querida amiga, tem uma boa semana.
Beijinhos.

Nádia Dantas disse...

Parabéns, é lindo! Eu gosto muito de seus poemas. Posso publicar Sinastria no docecomoachuva, Elizabeth?
Se puder, me dê um retorno...

Ótima tarde!
Abraço :)