terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

SOL






                                                                         para Karoline Goltzman





Eu não sei se teu sol
vem da clave
tatuada no braço,
entoando de alvorada
teus gestos
ou se essa miríade de luz
que, em ti se propaga,
é sol orbitando em tuas retinas.
O fato é que uma estrela
te habita
de  permanente verão,
tornando-te conivente
de cada horizonte ensolarado
e iluminando-me os dias
com a inevitável aurora
do teu sorriso.




Elizabeth F. de Oliveira


6 comentários:

Graça Pires disse...

Aqui tens um poema solar, minha querida amiga. Tens sol no teu olhar e nas tuas palavras.
Um beijo.

Nádia Dantas disse...

O sol brilha em teus poemas e esta luz nos ilumina...

Beijos :)

O Árabe disse...

Asim é, Elizabeth: o sol de nossas vidas habita naqueles que amamos. Belo texto, boa semana!

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema.
Gostei muito das tuas palavras.
Estás a escrever melhor que nunca.
Um beijo, minha querida amiga Elizabeth.

Aureliano disse...

Olá, Elisabeth!

Lindo poema. Sol é sempre luz que ilumina sempre e clareia a vida.

Abraço,

Aureliano.

A.S. disse...

O teu sol irradia uma luz plena de paz, amor, serenidade!...

Lindo o teu poema!

Beijo...
AL