sábado, 27 de dezembro de 2008

Nascente




Não fosse a severidade das montanhas,
Que me aponta
A sinuosidade do caminho,
Ter-me-ia chegado à nascente
Apaziguadora de todas as sedes.
A intermitência do desejo
Salva-me de uma secura
Mortalmente avassaladora.
Ainda não desisti de escalar
Os aclives da hesitação,
Para matar a minha sede
Fomentadora de todas as minhas
Silentes angústias.





Elizabeth F de Oliveira
Foto António O Matos

18 comentários:

manzas disse...

Que titulo irá ter…
Este meu novo poema?
Gostava de o ler?
E colocar seu tema?...
Com muita amizade
E um abraço enorme…
Com paz e sinceridade
Aguardo no meu blogue…

gisela ramos rosa disse...

Lindo esse poema Elizabeth, gostei muito, entre a dor e o desejo, entre a palavra e o Amor!O melhor para você nesse novo ano de 2009.

Tatiana disse...

Sempre é muito bom estar aqui!

Tenha uma bela passagem de ano!
Que 2009 seja um ano de muito sucesso e amor para você!

Obrigada por de alguma forma fazer parte da minha vida!

Beijos com meu carinho

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Venho desejar-lhe um

BOM ANO de 2009.

Beijinhosss

Marta disse...

Espero que a essa nascente lhe seja favorável no ano de 2009 :)
Convido-a a dançar um tango no meu blogue.
beijinho

Graça Pires disse...

Chegar à nascente pelo cheiro da sede...
Um beijo Elizabeth.
Um Ano de 2009 com tudo o que é BOM.

fred disse...

Belo poema, Elizabeth.
Aproveito para desejar-te, bem como aos teus familiares e amigos que 2009 seja o primeiro de dezenas de anos de realização dos melhores sonhos.
Beijos

mariavento disse...

Não desistas de escalar, é aí que está o caminho. Bj

Marta disse...

Antes de mais, obrigada pelo seu querido comentário :)
Agora, aproveito para convidá-la a ler a minha nova história, desta vez ao som da guitarra.
beijinho

manzas disse...

"A cada dia de nossa vida, aprendemos com nossos erros ou nossas vitórias, o importante é saber que todos os dias vivemos algo novo. Que o novo ano que se inicia, possamos viver intensamente cada momento com muita paz e esperança, pois a vida é uma dádiva e cada instante é uma benção de Deus".

" UM FELIZ ANO DE 2009 "

DE-PROPOSITO disse...

Para matar a minha sede
---------------
É.
E certamente haverá sede de tanta coisa.
FELIZ ANO NOVO.
Manuel

Nilson Barcelli disse...

Há sempre montanhas no nosso caminho e, por isso, há que saber "não desistir de escalar" as dificuldades da vida.
Gostei imenso do poema.
Querida amiga, gostei de te acompanhar durante 2008 e espero continuar por muitos anos, pelo menos enquanto os nossos blogues voarem...
Desejo-te um óptimo 2009.
Beijo.

Juh Reys disse...

Lindas poesias... Quase tão lindas quanto vc, Elizabeth. ;)

Parabéns... Adorei seu cantinho, muito foufo e acolhedor. Vou fazer o possível e impossível para sempre vim ver-lô.

Beijos... E te favoritei ao meu blog. Muito bom mesmo o seu.

Meu canto :http://jujubareis.blogspot.com/

Cássia disse...

"Ainda não desisti de escalar
Os aclives da hesitação,
Para matar a minha sede
Fomentadora de todas as minhas
Silentes angústias".
Este é um dos poemas mais belos que já li!
Perfeito!!!
Beijo no coração, Linda Poeta!
=***

d'Angelo disse...

Está no coração seu a nascente que fomenta a poesia. Lindo texto, bela maneira de encerrar o ano. Abraços, feliz 2009.

manzas disse...

“Reencarnação”

Foi em tempos… há muito tempo
Um tempo longínquo que já não sei…
Recordadas no momento de um pensamento
Pergaminhos da memória que furtei

http://pensamanzas.blogspot.com/

Uma boa semana com um abraço amigo…

Lancelot (England) disse...

Each and every beautiful poem by this gorgeous Brazilian Poet brings the world a little more beauty!

I wish I was the one who inspires both your words and your heart.

May you enjoy a marvelous New Year along with your family in the lovely, sunny country of yours.

LANCELOT
White Cliffs of Dover - ENGLAND

Victor Oliveira Mateus disse...

Elizabeth,

gostei muito deste poema. Talvez um dos (teus) melhores que li. Acho que consegues ir mantendo o
paralelísmo entre as descrições do
mundo exterior e o que ocorre no interior do eu-poético. Bom trabalho!