segunda-feira, 1 de setembro de 2008

A chuva...


A chuva é a única chama
que caminha contra o vento.
Refaço seu lastro
com a insônia dos sapatos.

Enlouqueço de ternura,
indeciso entre o furor e o fulgor.
Desperto amarrado em alguma estrela,
servindo de referência
para o alinhamento das esferas.





Fabrício Carpinejar
Em 'Biografia de uma Árvore'.
Foto Mario Ferreira

6 comentários:

Graça Pires disse...

Enlouquecer de ternura. Este poeta Fabrício Carpinejar é excelente. Não surpreende que desperte "amarrado em alguma estrela, servindo de referência
para o alinhamento das esferas".
Um beijo Elizabeth, minha Amiga.

Estou a ler as cinco Marias e estou a adorar...

Vieira Calado disse...

Retribuo a visita e deixo beijoca.
Bem haja!

Marinha de Allegue disse...

Biografía dunha árbore, interesante...

Unha aperta Elizabeth

Nilson Barcelli disse...

O poema é excelente.
A escolha da foto é brilhante.

Beijinhos.

Cássia Lopes disse...

Não poderia deixar de prestigiar meu ídolo Carpinejar!hehee=)
É redundância dizer que lindo, pq tudo oq ele escreve é lindo!
A foto está belíssima tbm!
=***

mariavento disse...

Uma óptima escolha, este poema.

Abraço